Isabella começa a descobrir o mundo e contar historinhas

Foi ao completar 3 semanas se vida que nossa pipoquinha começou a perceber, observar e investigar o mundo a sua volta.  Foi tão engraçado vê-la de um dia pro outro tomando consciência do seu entorno! De repente ela começou a esticar o pescocinho e os olhares, uma fofura. Mas mais fofo que isso foi hoje, as três semanas e três dias, vê-la começando a conversar. Quase morri de amor. Nem parece que já é meu terceiro rebento. Alias, com todos os filhos, sempre curti as fases como se fosse a primeira vez. Se bem que agora, curto mais ainda porque com certeza é a última vez. 

Tao lindinha, tão fofinha. Ai como é deliciosa essa fase. E que sorte a nossa poder viver tudo isso novamente.

comprar e não usar (e funcionar assim mesmo)

Taí uma coisa interessante que acontece comigo. Volta e meia, em situações de crise, acabo comprando um item, no calor do momento, para solucionar um problema e quase sempre não faço uso dele. Mas o problema é solucionado assim mesmo. Incrédulos vão dizer que a situação teria se resolvido ainda que eu não comprasse nada, mas como já gastei o dinheiro mesmo, prefiro acreditar que o ato da compra facilitou a solução :0)

Tudo começou há 11 anos, quando o vivi nasceu e eu não voltava ao peso pré gravidez de maneira nenhuma. Comprei um DVD de yoga pós parto e jurei que faria todos os dias até voltar ao peso original. De fato, no mês seguinte já estava com meu corpo pré gravidez de volta. Isso apesar de NUNCA ter dado play no DVD. 

Ao longo desses anos, outras situações parecidas ocorreram mas foi agora, com o nascimento da pequena que, ao ver meus peitos empedrando fui desesperada comprar um breast pump e jurei que usaria todos os dias até não ter mais um nódulo dolorido de leite. De fato, em três dias o leite desempedrou e eu nunca mais tive problemas. Isso apesar de eu NUNCA ter usado o breast pump. Pelo menos dessa vez comprei artigo de segunda mão e paguei 25% do valor de um novo. Prejuízo menor rsrs

Mas comigo é assim, basta comprar e acreditar que vou usar para o negócio funcionar 😬

dia sim, dia não

E seguimos com dias intensos permeados por um ou outro oásis de esperança. Infelizmente não chega a ser dia sim, dia não. Tá mais pra dia não,dia não, dia não, dia não, dia sim. 

Os dias sim nunca duram 24h, mas são maravilhosos, embora não me enganem. Os dias não por sua vez são tão difíceis que muitas vezes me tiram do prumo. Junta o cansaço com os hormônios enlouquecidos e temos uma Erica desequilibrada, instável e desesperada. Aconselho manter distância nesses momentos. Não quero conselhos,tampouco sugestões. Espero apenas empatia e compreensão, ambas silenciosas e acompanhadas de uma garrafa d’água e, se for possível, de um docinho.

Poucos momentos com recém nascido são mais difíceis do que aquelas madrugadas em que o bebê mama, mama, mama, abre o berreiro e não dorme, a menos que seja em cima da mãe. Dá um desespero não ver a luz do descanso no fim do túnel! 

Tem noites que são assim, o peito fica esfolado de tanto que a Pituca mama. Os olhos ardem com a falta de descanso, as costas doem pela posição ingrata com ela em cima do peito. Tudo o que eu quero nesses momentos é poder fechar os olhos tranquila por 20 minutos e esticar o corpo na cama.

A maternidade nos faz apreciar mais as pequenas alegrias da vida, isso é fato.

As pequenas alegrias dessa vida

Fazer xixi.

Escovar os dentes.

Tomar banho. 

Lavar os cabelos (fiz isso duas vezes desde que pipoca chegou).

Beber água.

Comer sentada à mesa com a família (ainda não rolou).

Dormir (!!!).

Escrever um post sentada em frente ao computador (luxo! Ainda não aconteceu. Por enquanto, só no aplicativo do celular mesmo).

Sair de casa (mesmo que seja pra ir ao médico).

Lavar um prato (pode acreditar!).

primeiro passeio: fail!

Ontem, quando o ar atingiu níveis respiráveis, resolvemos levar a pequena pra uma voltinha no quarteirão para estrear o carrinho recém adquirido. Colocamos a beca (aka going home outfit que nunca foi usada) na pequena, a pequena no carrinho e o carrinho na rua. Lá fomos nós. Só que não. Porque Pitiquinha abriu o berreiro. Odiou o carrinho, o sol, a rua. Só sossegou quando a peguei no colo. Fuen fuen fuen. Fail! Voltamos pra casa frustrados, eu, marido e Nickito. 

bebê pituquinha celebra sua terceira semana de vida…

… Com uma noite de soninho. 

Desde que nasceu, esta foi a primeira noite “boa” da nossa Pituquinha. Após um dia inteiro em claro, com direito a passeio de carrinho frustrado e banho aos berros, baby Isabella dormiu por volta das 5 às 10pm e depois novamente de 1 às 5 am. Isso é o que eu chamo de celebrar em grande estilo! O semaniversário foi dela, mas quem ganhou o presente fui eu! Rsrs 

Mas não pense que estou celebrando, tampouco achando que é o começo de uma nova fase, porque não estou! Sou gato escaldado, agradeço o momento e me mantenho preparada para a próxima onda. Se vier uma marolinha, eu aproveito, mas estou sempre ligada esperando tomar um caixote rs

2019: o ano das contagens regressivas

Eu sabia que 2019 seria um ano de muitos acontecimentos, mas, gente, o que é isso!? Já estamos quase no meio do ano!!! Daqui a pouco completo 42 e nem vi os 41 chegarem! Já estamos em nossa segunda contagem regressiva do ano, desta vez para nossa mudança. Em 50 dias estaremos embarcando rumo à terra das laranjas, flamingos e crocodilos. Estamos quase chegando, Flórida! Mesmo eu não sendo apaixonada pelo lugar, nem pela ideia de voltar a morar nos EUA, confesso que estou de certa forma ansiosa pela mudança. Primeiro porque já deu morar nesse apertamento tomado por mofo. Segundo, porque não da mais pra viver num lugar onde a poluição me impede de sair de casa. Terceiro, porque, gente, eu preciso morar perto da praia. E quarto, porque verão o ano inteiro é meu lifestyle 🙂

Entao, por mais que eu saiba que vou morrer de saudade da minha vida coreana, das amigas que fiz aqui, dos saçaricos e até mesmo de me comunicar exclusivamente com a linguagem dos sinais, minha contagem regressiva tá mode on. Que venha o novo capítulo da nossa vida cigana. Agora com mais uma integrante, porque com apenas duas crianças tava muito fácil 😉