Socorro! Já posso dirigir :O|

Confortavelmente instalada do lado de cá dos enta, qual foi o meu primeiro feito

(ainda em 2017)? Tomar vergonha na cara e tirar minha carteira de motorista.

Relutei enquanto pude, não queria (e ainda não quero) dirigir na loucura de Seul – engarrafamento, pistas confusas, motoristas barbeiros, engarrafamento, placas em coreano, ruas que não decoro o nome nem por um decreto, engarrafamento… mas o momento chegou, tive que me render, apesar do transporte público aqui ser maravilhoso, não suporto fazer baldeação (a gente não mora numa região muito central) e também não aguento mais pegar taxi (da última vez, até pum o motorista soltou. Duas vezes!!!).

O processo aqui é bem simples, se você já tem uma habilitação válida de outro país, em duas horinhas, você está com sua carteira de motorista coreana na mão.

Então, lá fui eu.

Marquei hora no consulado Australiano, onde paguei uma taxa de uns 60mil won para ter minha Aussie drivers license certificada. Achei caro, na Austrália mesmo, a gente não paga para certificar documentos, é tudo for free. Vai entender!

Dali, desci na estação de metrô mais próxima, entrei numa cabine de fotografia 3×4 e, por 10mil won, “ganhei” 10 fotos. Achei caro (novamente)! Mil won por cada fotinha é um absurdo! Mais absurdo que isso só mesmo a minha cara na foto.  Jesus tenha piedade! A foto é automaticamente retocada, você não tem escolha (coisas de Coréia), então sua cara fica meio esquisita, flat, sei lá… mas o pior foi a cabeleira laranja, por causa da correção de cor – quero acreditar, rs (de qualquer maneira, tô considerando ajustar o tom do cabelo para um medium ash brown em minha próxima visita ao salão).

De volta à superficie, segui em direção ao Global Center, onde iniciei o processo de troca de carteira. Era a segunda da fila. Apresentei todos os documentos e a mocinha, um pouco mal humorada para uma linda segunda-feira de verão ***irony alert***, verificou a documentação, me deu um formulário para preencher e me mandou para o prédio do outro lado da rua, fazer exames de vista e geral(?). Eu, simpática, agradeci o atendimento com sorrisos de pura empatia, porque vamos combinar, deve ser um saco ficar fazendo a mesma coisa o dia inteiro. O mínimo que a mocinha merece é nossa compreensão e gratidão, porque não é “fáceo”.

O vento estava cortante, mas bem feito, quem mandou esperar tanto pra tirar a carteira? Podia ter feito isso no verão.

Anyways…

No prédio em frente, o hall dos elevadores era interessante, ainda no hall, você seleciona seu andar em um painel digital e ele te indica que elevador pegar. Dentro do elevador, apenas três botões: um para abrir a porta, um para fechar e um para emergência. O elevador para apenas nos andares solicitados no hall. Achei HiTech :0)

Para esta etapa do hospital, foram 4 paradas: a primeira na recepção, a segunda na salinha de exame de vista, a terceira na salinha da GP para testar movimentos/reflexo(?), a quarta para pagar 8mil won e receber o carimbo no formulário.

Finalmente, retornei ao Global Center, onde fiquei na espera por uns 40 minutos, mas por graça divina e boa vontade daquela mocinha que parecia um pouco mal humorada da primeira vez, finalizei o procedimento, paguei a taxa de 8 mil won e saí de lá sem a minha habilitação australiana, mas de posse da coreana, com minha foto linda e laranja. E ainda ganhei sorrisos simpáticos e explicações atenciosas da mocinha, que mesmo tendo passado da hora do atendimento, me atendeu gentilmente e sem pressa. Pensei: às vezes, tudo o que a pessoa espera é empatia. Nada como oferecer o seu melhor. Gentileza atrai gentileza.

Agora, estou oficialmente habilitada a dirigir, mas só Deus sabe quando o farei. Tenho um certo pânico de enfrentar as ruas e motoristas coreanos. Nosso carro não tem GPS, então dependerei do Waze e Google Maps do celular para me guiar por aí. Tudo tão confuso. Aqui, me confundo até no carona, que dirá no volante! Vou pendurar um santinho protetor dos motoristas no retrovisor :O)


Em tempo: a foto em destaque foi tirada ontem, quando dirigi para o colégio e de volta pra casa. Não foi minha primeira vez no volante aqui, mas foi a primeira vez menos tensa. Quero ver quando terei peito pra pegar o carro sozinha e, finalmente libertar o marido da função de motorista.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s